Serviços O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
vereadora
 
 
vereadora 2
29197097 10204340491307976 683046876924084224 o

Por: Celso Alexandre Souza de Alvear - Pesquisador-Extensionista do Soltec e Professor do mestrado do NIDES

Rio de Janeiro, 15 de março de 2018

Em nome da diretoria do NIDES, escrevo esse depoimento:

Conheci Marielle em uma reunião na Comissão de Defesa de Direitos Humanos e Cidadania (CDDHC) da ALERJ no início de 2015. A convite do professor Meirelles, outra grande pessoa que perdi no ano passado, fui na CDDHC ver como poderia melhorar o processo de acompanhamento das denuncias de violáção dos direitos humanos. Desde a primeira reunião com a Marielle, fiquei impressionado com sua capacidade de diálogo, sua inteligencia, sua sensibilidade apesar de toda sua firmeza, sua paciência com todas e todos e muitas outras características que claramente a faziam uma liderança indiscutível.

Mas não era só isso, toda a história dela era incrível, mulher, negra, favelada da Maré, mãe bem cedo na vida, e apesar de viver na pele e na carne o que é ser isso no Brasil, conseguia ter paciência para dialogar e ter muito carinho por pessoas privilegiadas como eu, homem, branco, classe média, hétero, e mesmo com pessoas conservadoras. Mas essa calma e dialogicidade que ela tinha, em nada diminuia a capacidade dela de estar nas favelas, nas periferias, aonde tinha ocorrido uma chacina, ou seja, no front da luta sempre perto daqueles e daquelas que mais precisavam do apoio dela e da CDDHC. E não era só ela, era toda uma equipe da CDDHC, que ficava claro como respeitavam ela e estavam na luta lado a lado dela, e nunca abaixo ou atrás, outra característica que tornava ela uma grande liderança.

Assim, trabalhamos juntos durante 2015 na melhoria do sistema da ALERJ, junto com alunos da eletrônica e da computação da UFRJ. Não tenho dúvidas sobre como essa experiência mudou a vida deles, lembro de eles relatarem em aula como choraram ao ouvir alguns atendimentos da comissão. Depois convidei ela mais de uma vez para vir ao Soltec e ao mestrado do NIDES debater sobre Favela e Economia Popular e Solidária e Tecnologia e Racismo na disciplina Teoria Crítica da Tecnologia. E vinhamos dialogando para pensar outras ações conjuntas. 

Hoje, dia 15 de março de 2018, acordo e quando olho o celular vejo várias mensagens de alunas e alunos, de amigos e familiares sobre o falecimento da Marielle. Corri para ver as noticias na internet, torcendo para ser algum boato, mas não era. Além da tristeza enorme, por perder a liderança política que eu mais acreditava e uma grande amiga, meu sentimento maior no momento é de ódio. Ódio ao fascismo que vemos crescendo na sociedade, ao golpe político que vivemos desde 2016, mas que na verdade vem desde uma reconciliação com algozes da ditadura, o perdão de crimes contra a humanidade, e depois governos que cederam e buscaram conciliações inaceitáveis. Ódio a todos nós privilegiados que não fazemos o suficiente contra a morte diária de jovens, negras e negros, favelados, indígenas, quilombolas, agricultores familiares, mulheres e muitos outros grupos que vivem a margem de nossa sociedade.

Assim, vim hoje dar a primeira aula da disciplina da Teoria Crítica da Tecnologia. Quis inicialmente fazer uma homenagem a tudo que Marielle representou a muitos de nós que militamos por um mundo mais justo. Quis homenageá-la pela contribuição ao Soltec e ao mestrado do NIDES, e lamentar enormemente sua perda. Mas também quis dizer aos alunos que não podemos deixar esse sentimento nos parar e imobilizar. Marielle convivia com a morte de amigos da Maré e de outras favelas todo dia, e nunca parava. Eu, privilegiado que sou, não tenho o direito de parar ou de perder a esperança. E não posso nem tenho o direito de deixar esse ódio me consumir.

Disse para os alunos e reforço que hoje eu não tinha condições de dar aula, e que daqui a pouco iria para o velório e o ato, mas que outro professor continuaria a aula sobre o Capital. Que aqueles que tivessem condições físicas e psicológicas deveriam continuar na aula, pois para lutarmos pelo mundo que queremos não basta só ativismo, como também não basta só reflexão. Temos que alternar momenttos de ativismo e momentos de reflexão crítica, até para revermos sempre nossa luta. Infelizmente, nós que lutamos perdemos a toda semana amigos ou sofremos golpes a ataques políticos contra tudo que lutamos. Mas se ficarmos só reagindo a cada momento desse, não construímos a transformação que queremos para daqui a vários anos. Temos que lutar pelo hoje e pelo amanhã ao mesmo tempo, e isso é uma das coisas mais difíceis da luta, pois existem muitas contradições nesse caminho.

Deixo abaixo algumas fotos de Marielle no Soltec e na confraternização no fim da aula de TCT no ano passado. E parto com muita tristeza para o velório de minha grande amiga Marielle Franco.

Marielle no Soltec
29197097 10204340491307976 683046876924084224 o
Marielle com a turma de TCT 2017.1
b3dc4e75 ca99 4789 8eec e2547d7b6651
Marielle com a turma de TCT 2017.1
5e8a8cd4 f9c5 4ece b299 310481aa1b57
Marielle com a turma de TCT 2017.1
8f1ff4bc 3116 40be 9ee5 a3d4d5e3cf08
Marielle com a turma de TCT 2017.1
 
 
 
O Pré  Vestibular Popular é um projeto de extensão do Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social (NIDES) da UFRJ. Entre 19/02/2018 e 02/03/2018 estamos chamando pessoas que atuar conosco enquanto educadores (as) e/ou colaboradores (as). Para participar é preferencial estar cursando ou ter cursado ensino superior (ainda que incompleto). Nossa perspectiva é a metodologia participativa e a discussão de temas emancipatórios, além das aulas necessárias para aprovação.
São 4 polos:
Acari - Rio de Janeiro
Bom Pastor - Belford Roxo
Ocupação Solano Trindade - bairro São Bento - Duque de Caxias
Vila Residencial - Ilha do Fundão - Rio de Janeiro (polo experimental) 
 
O projeto vem sendo construído coletivamente em parceria com movimentos sociais como a União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e classe trabalhadora (UNEAFRO), Fórum Grita Baixada, Pré  Vestibular + Nós, Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), Associação de Moradores da Vila Residencial (AMAVILA), Associação de Moradores de Acari e Adjacências, Coletivo Fala Akari.
 
Faça já sua inscrição! Em breve, faremos contato para marcar nossa primeira reunião! 
 
Qualquer dúvida, entre em contato conosco através do e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
 

Rio de Janeiro, 7 de março de 2018.

 

Planejamento Estratégico Anual 2018 NIDES, realizado dias 05 e 06/03 na sala 1 do horto botânico do museu nacional da UFRJ, na Quinta da Boa Vista.

 

WhatsApp Image 2018 03 06 at 20.11.27 WhatsApp Image 2018 03 06 at 20.11.26 

 WhatsApp Image 2018 03 07 at 09.51.26 1

 

WhatsApp Image 2018 03 07 at 09.51.26 2   WhatsApp Image 2018 03 07 at 09.51.26 3

 

Esperamos a comunidade  do Nides na Assembleia dia 10/04 na UFRJ para apresentação dos projetos e atividades deste ano!

WhatsApp Image 2018 02 01 at 09.10.50

Sub-categorias

            100 anos ufrj                                     logo e sic

UFRJ NIDES - Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social
Desenvolvido por: TIC/UFRJ