Defesas do Programa de Pós-Guaduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social

 

  

A atuação do terceiro setor no saneamento rural no Brasil: o caso da ONG Global WaSH na Escola Municipal Padre Caetano no Distrito de Monte Verde de Minas (MG)

 

 

Raquel Machado Miranda

 

Resumo:

Os direitos humanos à água e ao saneamento, embora garantidos por lei federal no Brasil, não são disponibilizados a toda a população brasileira, e quando se trata de áreas rurais, os números tendem a piorar. Na ausência do Estado, organizações do terceiro setor se debruçam sobre a temática para traçar estratégias de engajamento comunitário no tema e, a depender do contexto, buscar soluções alternativas em parceria com atores locais, articulando e pressionando o poder público para que possam avançar na resolução do problema. O presente estudo teve como objetivo analisar como funciona a gestão de um projeto de mobilização social pelo direito ao saneamento e as tecnologias sociais utilizadas no projeto piloto em Monte Verde de Minas, distrito de Juiz de Fora, em Minas Gerais, incluindo a ação da ONG Global WaSH. Trata-se de uma pesquisa-ação de que a autora fez parte como voluntária, além de pesquisadora. Para chegar às discussões e resultados, foi feita a triangulação das seguintes ferramentas metodológicas: relato de experiência, sistematização da experiência e entrevistas. A pesquisa contemplou: o momento em que a ONG recebeu uma busca ativa pela sua atuação; sua entrada no território; a articulação com atores locais; a busca de parcerias para realização do projeto; o planejamento de atividades com a temática de Água, Saneamento e Higiene (WaSH), primeiramente dentro da Escola Municipal Padre Caetano, contemplando professores e estudantes; a criação de um comitê popular de governança da água; e o planejamento e a execução da tecnologia de um filtro lento como barreira sanitária para melhorar a qualidade da água distribuída na escola. Foram identificadas as propostas exitosas bem como aquelas que não trouxeram os resultados esperados. Como considerações finais, são feitas sugestões para melhores práticas para ONGs no atendimento ao saneamento em comunidades rurais.


 

Data e horário:  Dia 28 de maio de 2024, as 14:00

 

Local: Centro de Tecnologia da UFRJ, Bloco D, Sala D202

 

Banca:

Heloisa Teixeira Firmo – Orientadora - NIDES/UFRJ

Gustavo Carvalhaes Xavier Martins Pontual Machado – Coorientador- NIDES/UFRJ

Renan Finamore Gomes da Silva – Membro interno - NIDES/UFRJ

Tatsuo Carlos Shubo – Membro externo - Fiocruz

Bianca Dieile da Silva – Membro externo - Fiocruz

 

 

Defesas do Programa de Pós-Guaduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social

 

  

Logística, abastecimento popular e seus desafios: uma sistematização da experiência do Movimento dos Pequenos Agricultores no Estado do Rio de Janeiro

 

 

Débora Lins Batista

 

Resumo:

A logística está assumindo um papel cada vez mais importante dentro das organizações. De um lado, temos uma logística empresarial a serviço do capital e que se volta para geração de mais-valor. De outro, uma logística que carece de atenção dentro das organizações populares. Este trabalho tem como objetivo analisar, sistematizar e contribuir com os desafios da logística da agricultura familiar camponesa do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) do estado do Rio de Janeiro. Para o desenvolvimento deste trabalho, foi realizada uma revisão da literatura em torno das temáticas do alimento/abastecimento popular, do Movimento e da gestão logística. Para isso, foi feito um estudo inicial acerca dos dados do Sistema de Abastecimento Alimentar Popular (SAAP), com o enfoque nos canais de comercialização, almejando a construção de uma análise, estruturação e sintetização desses dados operacionais-logísticos. Desta forma, buscou-se identificar quais são os entraves logísticos do MPA e do seu centro de distribuição (Raízes do Brasil), assim como sistematizar e contribuir com a logística do centro de distribuição. Ademais, espera-se que esta pesquisa contribua com a memória do Movimento.


 

Data e horário:  Dia 25 de abril de 2024, às 15:00

 

Local: Sala C da Decania

 

Banca:

Felipe Addor (orientador) – NIDES/UFRJ
Vicente Aguilar Nepomuceno de Oliveira (coorientador) – NIDES/UFRJ
Sandra Rufino Santos – NIDES/UFRJ (por videoconferência)
Leile Silvia Candido Teixeira – UFRJ
Francisco José de Castro Moura Duarte – UFRJ

 

 

 

 

Defesas do Programa de Pós-Guaduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social

 

  

AGROFLORESTAS FLUTUANTES: PROJETO INFORMACIONAL PARA DESENVOLVER NOVOS TERRITÓRIOS PRODUTIVOS

 

Alan Souza Hanssen

 

 

Resumo:

Esta pesquisa tem como objetivo desenvolver novos territórios para produção de alimentos e de moradia, a partir de revisão bibliográfica, para conceituação e desenvolvimento de ilhas flutuantes agroecológicas. Para tal fim, será utilizada, como estrutura de pesquisa, revisão bibliográfica e desenvolvimento do Projeto Informacional (Fonseca, 2000; e Rozenfeld, 2006) a partir da revisão bibliográfica A partir do Projeto Informacional, será realizado o dimensionamento do projeto, bem como será verificado e definido, a partir dos custos levantados, a viabilidade financeira e temporal, para a construção de um projeto piloto. Serão apresentadas a partir de revisão bibliográfica as diversas formas de construção de ilhas flutuantes, como a utilização da madeira ou bambu, assim como o processo construtivo do marcreto, no qual será capaz de se gerar um amplo recife artificial flutuante. A segunda parte do projeto informacional abordará o processo hidrológico, responsável pela produção e distribuição de água, essenciais para a irrigação das espécies de mudas utilizadas, tanto para a formação da agrofloresta e da horta, quanto para a adaptação da vegetação de mangue em água salobra, na qual possui a necessidade do balanço entre as águas salgada e doce para atingir o ponto ideal de salinidade para essa espécie. Na terceira etapa, é apresentada a possibilidade de estruturação da aquacultura, a qual ficaria abaixo da estrutura flutuante, em conjunto com o manguezal, garantindo sua imersão em seu ambiente natural, constituído pelos recifes de marcreto, fornecendo segurança para a piscicultura, que ficará cercada por redes, bem como para a malacocultura, estabelecida em lanternas-berçários e de engorda. Como resultado, busca-se gerar uma solução baseada na natureza (SbN) para superar os efeitos do aquecimento global e os demais impactos das mudanças climáticas.

 

Data e horário:  15/03/2024 às 17:30

 

Local: https://meet.google.com/kwt-gyst-ydt

 

Banca interna:
Prof/Doutor Walter Issamu Suemitsu NIDES/UFRJ (orientador)
Prof/Doutor Gustavo Carvalhaes Xavier Martins Pontual Machado NIDES/UFRJ (coorientador)
Prof/Doutor Renan Finamore Gomes da Silva NIDES/UFRJ
Profa/Doutora Camila Rolim Laricchia UFRJ/MACAÉ
Profa/Doutora Bianca Dieile da Silva ENSP/FIOCRUZ

 

 

Defesas do Programa de Pós-Guaduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social

 

  

FAKE NEWS EM NOSSOS TEMPOS: REFLEXÕES E AÇÕES DE COMBATE EM ESPAÇOS EDUCATIVOS

 

Robson dos Santos Pereira

 

 

Resumo:

A presente pesquisa tem como objetivo geral refletir sobre os desdobramentos de um ciclo de palestras proferidas nas Naves do Conhecimento sobre o combate às Fake News, na tentativa de tornar os sujeitos participantes mais questionadores e atentos às informações. Desdobramos enquanto objetivos específicos: (a) identificar as contribuições, os percursos e os percalços das palestras nas abordagens sobre as Fake News e suas implicações nas mídias, (b) caracterizar as palestras como uma importante ferramenta na perspectiva da educação popular. Ressaltamos que, enquanto produto educacional, a palestra intitulada: “O Combate às Fake News” ocorreu em parceria com a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME/RJ), ministrada em três Naves do Conhecimento do Município do Rio de Janeiro. Foi utilizada como metodologia a pesquisa qualitativa e enquanto instrumento de coleta de dados, as entrevistas, que intencionavam investigar os conhecimentos subsequentes às Fake News como um fato social objetivo. Os resultados permitiram qualificar a efetividade das palestras, identificando lacunas e problemas enfrentados pelo palestrante, que também é o autor dessa pesquisa.

 

Data e horário:  25/03/2024 às 14:00

 

Local: https://meet.google.com/oxw-xvvj-hxn

 

Banca interna:

Prof. Dr. Michel Jean Marie Thiollent (orientador) - NIDES/UFRJ
Prof. Dr. Tarliz Liao (coorientador) - NIDES/UFRJ
Prof. Dr. Alexandre Palma da Silva – NIDES/UFRJ
Prof. Dra. Adriana Rocha Bruno – PUC/SP
Prof. Dr. Marcelo Souza Motta – Universidade Cruzeiro do Sul, UNICSUL

 

 

Defesas do Programa de Pós-Guaduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social

 

 

 

A APLICAÇÃO DE UM JOGO DE TABULEIRO HUMANO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA.

Uma pesquisa-ação na Escola Municipal Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro.

 

Lynna Toni Fuly

 

Resumo:

A busca por recursos didáticos diversificados para o ensino tem se tornado uma prioridade na educação. Reconhece-se que, para um ensino verdadeiramente eficaz e significativo, é imprescindível explorar e experimentar novas abordagens visando aprimorar o aprendizado dos alunos. Diante disso, a utilização de jogos emerge como uma estratégia pedagógica promissora. Nesta perspectiva, o objetivo deste trabalho foi investigar a aplicação de um jogo de tabuleiro humano para abordar os conceitos da disciplina de Ciências associado a temática transversal da Educação Ambiental Crítica em uma escola na cidade do Rio de Janeiro. A abordagem, centrada na pesquisa-ação, foi enriquecida pela participação ativa dos professores e alunos da Escola Municipal Pedro Ernesto, através da observação participante e de discussões em grupo. O jogo de tabuleiro humano é projetado com o objetivo de engajar os alunos em questões de Educação Ambiental Crítica, estimulando a reflexão, o diálogo e a ação em relação a problemas ambientais locais e globais. Durante o estudo a pesquisadora observa e documenta como o jogo é implementado na prática, quais são os impactos percebidos na compreensão e na atitude em relação à Educação Ambiental. Os resultados da pesquisa revelam percepções sobre a eficácia do jogo como uma ferramenta para promover a Educação Ambiental Crítica, identificando aspectos positivos e desafios encontrados durante a implementação. Além disso, o estudo contribui para o desenvolvimento de estratégias e práticas educacionais que possam ser utilizadas para abordar questões ambientais de forma mais participativa e engajadora. Em suma, a pesquisa investiga o potencial do jogo de tabuleiro humano como uma abordagem inovadora para assuntos ligados ao tema, oferecendo uma bagagem epistemológica para educadores, pesquisadores, formuladores de política pública interessados em promover uma consciência ambiental mais ativa e responsável entre os educandos. Durante os meses de pesquisa junto às turmas de 4° e 5° anos do Ensino Fundamental, realizada no ambiente dinâmico da escola pública e envolvendo 85 alunos, o estudo revelou potencial transformador do jogo de tabuleiro humano como uma ferramenta educativa inovadora. Esta abordagem emergiu como uma oportunidade valiosa para fomentar práticas educativas centradas no protagonismo infantil, permitindo uma aprendizagem mais contextualizada e significativa. Ao longo deste processo, os educandos se tornaram agentes ativos da construção do conhecimento, enriquecendo suas experiências educacionais de maneira notável.

 

Data e horário:  07/03/2024 – 10:30

 

Local:

Remoto: https://zoom.us/j/94216920093?pwd=b3N5TklKRTU5MWFtZnN1dFRSa2RVUT09

 

Banca:

Heloisa Teixeira Firmo (orientadora)

Monica Pertel (coorientadora)

Ana Lucia Vendramini

Renan Finamore Gomes da Silva

Patrícia Raquel Barone

 

 

 

            100 anos ufrj                                     logo e sic

O conteúdo do site é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da Creative Commons.

UFRJ NIDES - Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social
Desenvolvido por: TIC/UFRJ